31 de março de 2011

Opinião: A volta de Juninho Pernambucano


Sou totalmente a favor da volta do grande ídolo Juninho Pernambucano e ele está muito perto de voltar ao Vasco. Diante disso, deixo aqui alguns pontos importantes sobre o assunto:
1- O marketing do clube irá decolar, com a volta do ‘Reizinho’ para a colina, teríamos mais visibilidade e consequentemente o respeito de parte da imprensa. Seria maior até que Ronaldinho na Gávea, Juninho é ídolo da torcida e para a maioria dos torcedores a vinda dele é perfeita;
2- Juninho não é mais o mesmo, não devemos esperar o futebol excelente que ele tinha há 10 anos, mas com certeza, mesmo com 36 anos ainda tem muita qualidade e pode demonstrar isso em campo;
3- Se ele vier, a torcida vascaína deve ter calma. Estamos há oito anos sem títulos; E caso não tenham calma, o Juninho pode se queimar e isso seria ruim para os dois lados;
4- Sua presença será monumental para a conquista de títulos, um ídolo faz à diferença em campo e ter amor a camisa é algo extremamente raro no mundo do futebol;
5- O preparo físico do ‘Reizinho’ não é mais o mesmo de 10 anos atrás, ele não poderá jogar três partidas por semana;
6- Juninho Pernambucano é ídolo, não importa o que dizem, os fatos e a história mostraram que ele foi e pode ser de extrema importância para o Vasco da Gama!
7- Um rei nunca perde sua Majestade.
Diante disso tudo, eu deixo o meu VOLTA JUNINHO!
Me adicione no facebook e converse comigo sobre os assuntos do nosso amado Vasco da Gama: http://facebook.com/torcedorvasco

Irreconhecível, Vasco empata com o ABC-RN em Natal: 0x0

ABC e Vasco ficam apenas no empate sem gols no Frasqueirão.
O Vasco foi a Natal enfrentar o ABC-RN, na noite desta quarta-feira, no Frasqueirão, pela segunda fase da Copa do Brasil, e não conseguiu sair do empate sem gols. O time cruz-maltino não mostrou criatividade - talvez pela ausência de Felipe -, e se segurou como pode para evitar os gols da equipe potiguar.

Com o resultado, o cruz-maltino terá de brigar pela classificação na quarta-feira da próxima semana, em São Januário.

Sem criatividade e começo sem gols

Apesar da vantagem do Vasco, o primeiro tempo teve papéis invertidos, em que as melhores oportunidades foram do ABC.

A partida começou com o ABC melhor em campo. Aos 10 minutos, Leandrão recebeu cruzamento e finalizou de primeira, mas a bola subiu demais e saiu por cima do gol. O Vasco, por sua vez, só conseguiu reagir aos 16 minutos quando, após boa troca de passes, Bernardo arriscou de fora da área a bola passou rente à trave direita de Wellington. No minuto seguinte, foi a vez de Alecsandro levar perigo ao gol do ABC, ao chutar cruzado e a bola atravessar toda a área até sair pela linha de fundo.

A partir daí, o jogo ficou equiparado. Até que, aos 22 minutos, mais uma vez Alecsandro arriscou ao gol e a bola voltou a assustar a zaga do time da casa. Porém, aos 24 a torcida do ABC comemorou. Ederson recebeu sem marcação, batei na saída de Prass e balançou a rede, mas a jogada já estava paralisada pelo assistente, que marcava um impedimento do camisa 11.

Aos 28, o volante Eduardo Costa sentiu dores na coxa direita e acabou substituído por Fellipe Bastos. No minuto seguinte, o ABC voltou a se aproximar do gol. Ederson recebeu de Renatinho e chutou forte, mas manda para fora. Enquanto isso, o Vasco parecia sentir a falta do meia Felipe e não mostrava criatividade.

Nos minutos finais, a equipe da casa teve duas boas chances com Pio, e em lances parecidos. O lateral-direito recebeu na ala do campo e chutou com efeito; a primeira saiu pelo lado direito de Prass, já a segunda, do lado esquerdo.

Sem gol, o primeiro tempo terminou com o empate no placar.

Chances desperdiçadas e tudo igual

No retorno para a etapa final, o jogo não mudou de panorama. O ABC pressionando e um Vasco, assustado, não conseguia criar boas jogadas. Assim como no início do jogo, a primeira boa chance de gol foi do time da casa. Pio, quase que em um replay das tentativas anteriores, recebeu e chutou com efeito para a defesa de Fernando Prass.

Sem grandes jogadas no meio de campo, o Vasco passou a ter as melhores chances de gol através dos chutes de longa distância, principalmente com o volante Fellipe Bastos. Aos 18 minutos, porém, Allan tabelou com Alecsandro, invadiu a área e chutou cruzado, a bola passou muito perto da trave direita de Wellington.

Aos 27 minutos, Fernando Prass fez uma grande defesa quando Ray recebeu em profundidade sem marcação, invadiu a área e bateu na saída do camisa 1 de São Januário, mas o goleiro conseguiu evitar o gol. No lance, Prass recebeu um pisão no tornozelo, mas se recuperou rapidamente.

A entrada de Enrico deu um pouco mais de velocidade ao time, mas nada que conseguisse modificar a atitude em campo. Com o final do jogo se aproximando, ambos os times começaram a fazer faltas mais duras e foram distribuídos cartões amarelos.

As substituições não surtiram efeito e ninguém consegiu balançar a rede. Resultado: empate sem gols no primeiro jogo desta segunda fase da Copa do Brasil.

30 de março de 2011

VascoTV estreia nesta 4ª-feira

Neste primeiro programa semanal, um convidado de honra será entrevistado: o presidente vascaíno Roberto Dinamite.
O Esporte Interativo – a primeira rede de TV aberta de esportes do Brasil – acaba de fechar um acordo com o Vasco. Desta parceria nasce a VascoTV, um programa semanal de 30 minutos que levará aos torcedores cruzmaltinos conteúdos exclusivos, como informações de bastidores, entrevistas com ídolos do passado e da atualidade e notícias sobre o time tetracampeão brasileiro e campeão da Libertadores no ano de seu centenário, em 1998.
Produzida pela Diretoria de Marketing do clube, a VascoTV fará sua estreia no Esporte Interativo – parabólicas em todo o Brasil, Oi TV (canal 515), Via Embratel (canal 48) e canal 36 em São Paulo, além da internet (www.esporteinterativo.com.br) e celular – nesta quarta-feira (30/03), às 17h45 (de Brasília). Neste primeiro programa semanal, um convidado de honra será entrevistado: Roberto Dinamite, presidente e maior artilheiro da história do clube. Para a edição seguinte, outra presença ilustre: a do ex-goleiro Carlos Germano, campeão brasileiro em 1997 e da Libertadores no ano seguinte. Além do programa inédito a ser exibido toda quarta-feira, um VT será transmitido às sextas-feiras, às 18h.
Semana a semana, os torcedores do Vasco também acompanharão outras atrações no programa exibido pelo Esporte Interativo: entrevistas sobre jogadores do passado – no primeiro programa, o jornalista Sérgio Cabral fala sobre o ex-goleiro Barbosa, um dos maiores da posição –, escalação de times dos sonhos do torcedor vascaíno e jogos inesquecíveis, além de conteúdos exclusivos do atual elenco, com informações de bastidores. A VascoTV também estará disponível, em reprise, no site oficial do Vasco (www.vasco.com.br), por meio do Youtube (http://www.youtube.com/vasco) e sites não-oficiais dos parceiros Netvasco e Supervasco que, juntos, representam mais de 15 milhões de pageviews por mês.
Vice-Presidente de Marketing do Vasco, Fábio Fernandes é um dos que apostam no sucesso do programa.

- A VascoTV é mais um grande e inovador passo no nosso plano para aumentarmos a exposição da nossa marca, criarmos novos canais de contato com o nosso torcedor e agregarmos maior valor para os nossos parceiros comerciais, sejam eles patrocinadores atuais ou futuros, empresas produtoras de itens licenciados ou simples anunciantes interessados no retorno de mídia do programa - afirma.
Do lado do Esporte Interativo, o Diretor Bernardo Ramalho acredita que a parceria é desafiadora, já que o Vasco passa a ser o único grande clube brasileiro a ter um programa semanal na TV aberta.

- Com nossa audiência, aliada a tudo o que representa o Vasco no futebol brasileiro, temos certeza de que essa aliança tem tudo para render bons frutos - completa o executivo.

29 de março de 2011

Dinamite: 'Juninho está voltando'

Juninho, 36 anos, atualmente defende o Al Gharafa,
do Qatar (Foto: agência Reuters)

Presidente confirma retorno do ídolo para o Campeonato Brasileiro e diz que ele volta por amor ao Vasco.

 

O contrato ainda não foi assinado já que ele ainda está vinculado ao Al Gharafa, do Qatar. Mas, para o presidente Roberto Dinamite, o retorno de Juninho Pernambucano ao Vasco já está sacramentado. A confirmação foi dada diante de uma plateia de cerca de 40 pessoas durante o ciclo de palestras dos presidentes dos quatro grandes clubes do Rio na Casa do Saber, na Lagoa. Dinamite disse ainda que o projeto de Juninho envolve seguir trabalhando no clube após o término de seu contrato.
- Juninho quer encerrar a carreira no Vasco e dar continuidade em sua carreira após parar de vez. Nos próximos meses vamos assinar tudo, mas ele está vindo para o Vasco - sacramentou.
Juninho já decidiu que não vai deixar o clube do Qatar antes do término de seu contrato, no fim de junho. Com isso, o retorno ao Vasco só deve mesmo acontecer em julho. Mas o presidente já negociou todas as bases. Segundo Dinamite, o custo para o Vasco vai ser simbólico. Ele não revelou, mas o projeto envolve uma parceria com a Penalty, fornecedora de material esportivo do clube. Só que nada disso poderia acontecer caso o ídolo vascaíno não quisesse realmente voltar.
- Quem não conhece o Juninho e um dia tiver a oportunidade vai ver a pessoa que ele é. O que mais preservo e admiro nas pessoas é o olhar, a palavra, um gesto... E isso eu vi no Juninho, que está voltando ao Vasco porque quer, porque gosta do clube. Momentos como esse nos fazem até esquecer as turbulências - disse, emocionado.
Juninho Pernambucano, 36 anos, teve passagem marcante pelo Vasco entre 1995 e 2001. O meia conquistou dois Brasileiros (1997 e 2000), uma Libertadores (1998), uma Copa Mercosul (2000), um torneio Rio-São Paulo (1999) e um Carioca (1998) com a camisa vascaína.

Roberto Dinamite confirma volta de Juninho Pernambucano ao Vasco

Juninho Pernambucano, de 36 anos, retorna ao clube após dez anos

Meia chegará ao clube em meados de julho após encerrar o vínculo com o Al Gharafa.

O presidente Roberto Dinamite confirmou na noite desta segunda-feira em uma palestra no Rio de Janeiro que Juninho Pernambucano está retornando ao Vasco.

O dirigente garantiu que após o jogador encerrar o seu contrato com o Al Gharafa, do Catar, o atleta virá para o time da Colina. De acordo com Dinamite, o meio-campo seguirá no clube após a aposentadoria exercendo algum cargo no departamento de futebol.

“Juninho quer encerrar a carreira no Vasco e dar continuidade em sua carreira após parar de vez. Nos próximos meses vamos assinar tudo, mas ele está vindo para o Vasco”, disse o presidente garantindo que o meia chegará em meados de julho.

Roberto Dinamite afirmou que as bases salariais já foram acertadas e o custo da negociação será simbólico. O projeto para repatriar o atleta terá o apoio do fornecedor de material esportivo.

“Quem não conhece o Juninho e um dia tiver a oportunidade vai ver a pessoa que ele é. O que mais preservo e admiro nas pessoas é o olhar, a palavra, um gesto... E isso eu vi no Juninho, que está voltando ao Vasco porque quer, porque gosta do clube. Momentos como esse nos fazem até esquecer as turbulências” disse.

A primeira conversa entre o clube e Juninho Pernambucano aconteceu no inicio do ano enquanto o jogador estava de férias em Recife. O jogador que declarou inúmeras vezes que gostaria de retornar ao Vasco garantiu que só irá se pronunciar após resolver todas as pendências com o clube do Catar.

Juninho Pernambucano, de 36 anos, teve passagem marcante pelo Vasco entre 1995 e 2001. O meia conquistou dois Brasileiros (1997 e 2000), uma Libertadores (1998), uma Copa Mercosul (2000), um torneio Rio-São Paulo (1999) e um Carioca (1998) com a camisa vascaína.

28 de março de 2011

Leandro Chaparro tem agradado Ricardo Gomes nos treinamentos

Leandro Chaparro, perto da extreia.
LO argentino Leandro Chaparro é o único dentre os reforços que chegaram ao Vasco nesse ano de 2011 que ainda não recebeu uma oportunidade. Tido como uma das grandes promessas de seu país, o apoiador vem se destacando e sua estreia pode está próxima.

Quem garante é o jornalista Jorge Eduardo, da Rádio Globo, que em seu Twitter (veja) afirmou que o técnico Ricardo Gomes tem ficado satisfeito com o desempenho do jovem nos treinamentos em São Januário.

Por: Carlos Gregório Junior (twitter: @carlosgregjr)
Fonte: SUPERVASCO.COM - Respeite os créditos » Editada por Carlos Gregorio Júnior

27 de março de 2011

Ruins de pontaria, Flu e Vasco ficam no empate no Engenhão: 0 a 0

Dedé e Fred se agarram na área. Os atacante não levaram vantagem sobre os defensores
(Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo)

Resultado devolve a liderança do Grupo A aos cruz-maltinos. Tricolor segue fora da área de classificação para a semifinal

 Mesmo com Alecsandro no 2º tempo, Vasco não sai do 0 a 0 com o Flu no Engenhão

 

Chances de marcar as duas equipes tiveram, mas este domingo não era dos ataques de Fluminense e Vasco, que ficaram em um empate em 0 a 0 no Engenhão. O duelo, que teve bola no travessão de Eder Luis e algumas boas defesas dos dois goleiros, foi marcado pelo equilíbrio e pela grande quantidade de erros de passe de lado a lado. A igualdade não chega a ser uma novidade para os clubes, já que eles haviam empatado 11 vezes nos últimos 16 confrontos.
Para o Vasco, o resultado, ao menos, serviu para recolocar o time na liderança do Grupo A da Taça Rio, com dez pontos. A equipe da Colina bate o Boavista e Americano (todos com a mesma pontuação) no número de gols marcados. O ponto conquistado não teve o mesmo efeito para o Tricolor, que  segue em terceiro no Grupo B, fora da área de classificação para a semifinal da Taça Rio com oito pontos. Atrás do Olaria (12) e do Botafogo (dez).
No próximo sábado, às 16h (de Brasília), o Flu vai até o estádio Raulino de Oliveira encarar o Volta Redonda. No domingo, no mesmo horário, o Vasco recebe o Bangu em São Januário.
Equipes erram passes e irritam os torcedores; Eder acerta o travessão
Antes de a bola rolar, o clima era de ironias entre as duas torcidas. Os tricolores, por exemplo, brincavam com o jejum de títulos do Vasco (não vence o Carioca desde 2003). Quando o árbitro apitou o início do jogo, a disputa continuou forte. Empurrados por sua torcida, em maioria no estádio, os cruz-maltinos começaram no ataque, mas, atrapalhados pelos seguidos erros de passe na tentativa de encontrar Diego Souza e Eder Luis na frente, o time deu chance para o Flu crescer.

Vasco empata sem gols com o Engenhão e retoma a liderança


Pela 5ª rodada da Taça Rio, o Vasco empatou com a equipe do Fluminense em 0 a 0 neste domingo (27/03), no Engenhão. Apesar do empate, os vascaínos retomam a liderança do grupo A, agora com 10 pontos. O Gigante da Colina volta a campo no próximo domingo (02/04), para enfrentar o Bangu, em São Januário.
Visando retomar a liderança do grupo A da Taça Rio, o Vasco começou a partida de maneira agressiva. Logo no minuto inicial o meia Bernardo cobrou falta, mas Digão afastou o perigo. Já o primeiro bom ataque do Fluminense aconteceu aos dez minutos. Conca aplicou uma caneta em Diego Souza e arriscou de longe, obrigando a Muralha da Colina a fazer uma grande defesa. Aos 12 minutos, o volante Eduardo Costa arriscou de fora da área, mas o jogador mandou por cima da trave. Em resposta, o Fluminense assustou aos 14 minutos. Emerson cruzou, a bola passou por todo mundo e sobrou para Souza que fez outro cruzamento. Emerson pegou de primeira, mas a bola foi para fora.
Aos 21 minutos, Diguinho levantou para Fred que tentou girar para cima de Dedé, mas o zagueiro vascaíno levou a melhor. No minuto seguinte, Diego Souza recebeu na área, caiu e pediu pênalti. O árbitro mandou seguir. O tricolor subiu ao ataque novamente aos 24 minutos. Julio Cesar foi lançado pela esquerda de ataque, driblou Romulo e conseguiu o cruzamento para a defesa de Fernando Prass. O goleiro vascaíno de soco mandou para fora.
Aos 35 minutos, uma boa jogada de Bernardo. O meia tabelou com Anderson Martins pela direita e bateu forte e Ricardo Berna espalmou. Na sequência, a bola sobrou para Anderson Martins que bateu sem força para a defesa do goleiro tricolor. Aos 37 minutos, o meia Conca errou o passe no ataque e Eder Luis aproveitou a sobra e avançou ao ataque. O atacante bateu cruzado e a bola explodiu no travessão. Seis minutos depois, o meia Diego Souza tocou para Bernardo que na entrada da área, bateu bonito, mas o goleiro Ricardo Berna realizou uma grande defesa.
No segundo tempo, a melhor jogada aconteceu apenas aos 13 minutos de jogo. O meia Felipe lançou para Eder Luis que chutou de primeira na grande área. Digão conseguiu chegar primeiro e acabou trombando com o atacante vascaíno que pediu pênalti. O árbitro mandou seguir a partida. Aos 33 minutos, o lateral esquerdo Marcio Careca realizou um lindo cruzamento para Eder Luis que dominou livre na área. O atacante de frente para o gol, bateu cruzado e desperdiçou a chance de colocar o Vasco na frente. Aos 44 minutos o Fluminense assustou. Julio Cesar recebeu livre na are e bateu rasteiro para a defesa de Fernando Prass. No rebote, o volante Eduardo Costa afastou o perigo. Com o empate sem gols, o Vasco volta a liderança do grupo A.
 

Fluminense e Vasco não saem do zero no Engenhão

Vasco e Fluminense fizeram clássico equilibrado no Engenhão neste domingo (Foto: Bruno de Lima)

Recuado, tricolor viu Eder Luis perder a chance da vitória no segundo tempo. Ricardo Berna foi destaque.

 

O clássico entre Fluminense e Vasco, neste domingo, no Engenhão, não saiu do zero. A equipe de São Januário foi melhor, mas não conseguiu converter as oportunidades em gol. Recuado, o tricolor teve em Ricardo Berna seu melhor jogador e, com um ponto a mais, permanece fora da zona de classificação para as semifinais.
Ficou evidente após a partida a dependência do Flu em relação a Conca. Apagado, o argentino pouco foi notado, assim como o sonolento setor de criação tricolor. No Vasco, Eder Luis desperdiçou a melhor chance da partida no segundo tempo.
Vasco é melhor e Berna faz grandes defesas
O jogo no Engenhão começou com o Vasco pressionando. O Fluminense, porém, animado com a presença da torcida após a vitória pela Copa Santander Libertadores no meio da semana, logo cresceu e se impôs mais nos 20 minutos iniciais, com destaque para um perigoso chute de Conca aos dez e gol perdido por Fred após desvio de Gum em cobrança de escanteio aos 19.

Mas na metade final da etapa, a defesa tricolor se destacou. E quando os zagueiros chamam a atenção, é sinal de que o ataque adversário está incomodando. E foi isso que aconteceu. Comandado por Bernardo e Eder Luis, o Gigante da Colina foi para cima.

O jovem, ex-Cruzeiro, exigiu duas boas defesa de Ricardo Berna: uma em cobrança de falta e outra em chute da entrada da área, no qual o camisa 1 tricolor mostrou todo seu reflexo, voando no ângulo.

Mas quem chegou mais perto de marcar foi Eder Luis. Após contra-ataque aos 37, o camisa 7 arriscou de fora e a bola explodiu no travessão, arrancando o grito de quase da torcida vascaína.

As duas equipes foram para os vestiários com o placar ainda zerado.
Eder Luis perde grande chance e placar não sai do zero

O panorama final da primeira etapa se repetiu na segunda. Melhor após o intervalo, o Vasco continuava pressionando. Ao contrário dos 45 minutos iniciais, porém, Bernardo voltou apagado e abriu espaço para a estreia de Alecsandro. O centroavante teve seu primeiro contato com a torcida vascaína à partir dos 15 minutos.

No Flu, Deco voltou no lugar de Souza, mas a falta de criatividade não mudou, já que Conca estava mal e a dependência do bom futebol do argentino é evidente.

Com o jogo focado no lado direito, mais precisamente em Diego Souza, o Vasco continuava assustando. Aos 12, polêmica. Eder Luis recebeu de Felipe dentro da área, Digão furou e, na volta, sua perna derrubou Eder Luis. O lance gerou muita reclamação por parte dos cruz-matinos, mas o juiz Rodrigo Pereira mandou seguir.

Eder Luis voltou a ser protagonista aos 24. Com o Fluminense muito recuado, o lateral-esquerdo Márcio Careca colocou Eder Luis cara a cara com Ricardo Berna. O atacante perdeu a melhor chance da partida, chutando cruzado para fora.

Os treinadores foram aos poucos queimando suas substituições. Apesar da boa movimentação do ataque, Ricardo Gomes optou pela saída de Eder Luis e colocou Leandro. No Tricolor, Emerson deu lugar a Araújo.

Sem Felipe, que deixou o campo para a entrada de Jéferson, o Vasco perdeu em qualidade de passe e ganhou em marcação, o que não era importante já que o Flu pouco atacava.

As únicas finalizações tricolores na segunda etapa se dram após os 30 minutos. Uma com Deco, que Fernando Prass desviou bem para escanteio, outra de Conca, que, de frente para o gol após jogada rápida, chutou por cima e a última e mais perigosa de Júlio César, que exigiu boa defesa de Prass aos 44.

Apesar de melhor, o Vasco não concretizou em gol sua superioridade. Recuado, o Flu pouco chutou. E assim terminou o clássico, empatado em 0 a 0. Na próxima rodada o Fluminense visita o Volta Redonda, sábado e o Vasco recebe o Bangu, domingo.

 

Trem Bala da Colina freia e empata com Flu no Engenhão

RIO - Em um clássico que teve um primeiro tempo movimentado e um segundo sonolento, Fluminense e Vasco empataram em 0 a 0 na noite deste domingo, no Engenhão. O resultado caiu melhor para o time de Ricardo Gomes, que reassumiu a liderança do Grupo A, com 10 pontos, ao lado de Boavista e Americano, levando vantagem no saldo. O Fluminense, com oito pontos, é o terceiro no Grupo B, quatro pontos atrás do Olaria e dois atrás do Botafogo - clique para ver como foi no tempo real.

O Fluminense começou melhor, aproveitando a boa movimentação de Emerson, pela direita, e Souza, pela esquerda. Depois do começo tímido, o Vasco reagiu após a parada técnica e criou as melhores chances, principalmente em chutes de média distância.

Éder Luís puxou contra-ataque, deixou Valencia caído e soltou uma bomba que explodiu no travessão. Pouco depois, foi a vez de Bernardo chutar forte da entrada da área. Ricardo Berna voou para fazer linda defesa de mão trocada.Confira a classificação da Taça Rio

O Fluminense voltou do intervalo com Deco no lugar de Souza, e pouco depois Ricardo Gomes promoveu a estreia de Alecsandro na vaga de Bernardo. O jogo, porém, perdeu em qualidade e movimentação. Na melhor - para não dizer única - chance do segundo tempo, Éder Luís recebeu livre na área e chutou tão mal que a bola quase saiu pela linha lateral. Júlio César também arriscou, parando em Fernando Prass já nos minutos finais. O empate sem gols acabou sendo mesmo o resultado mais merecido.

Na próxima rodada o Vasco recebe o Bangu, em São Januário, enquanto o Fluminense pega o Volta Redonda no Raulino de Oliveira.
Fonte: Globo Online

Com o grito de 'casaca!', Dinamite festeja título com os jogadores

Após vitória sobre o Sporting por 4 a 2 na decisão do Mundialito, presidente do Vasco entra na quadra para abraçar os campeões.

Assim que o árbitro apitou o final da partida, os jogadores do Vasco correram para a torcida para comemorar a vitória por 4 a 2 sobre o Sporting  e o título do Mundialito de Futebol de Areia. O presidente Roberto Dinamite, que assistiu ao jogo de camarote, foi ao encontro dos atletas cruz-maltinos dentro de quadra e comemorou ao som do tradicional grito "Casaca!".
- Esse título representa tudo. Representa o Vasco que nós queremos, onde as pessoas estão trabalhando em prol do clube. A demonstração dos jogadores não foi só pela conquista, mas pelo respeito e o carinho que o time tem com o Júnior Negão e também com a nossa instituição - disse Dinamite.
Autor do quarto gol vascaíno na decisão, Betinho não escondeu a emoção com mais uma conquista na carreira. Ele lembrou a jogada de Jorginho, que culminou com sua finalização precisa.
- É muito gratificante poder conquistar mais um título aos 33 anos de idade. Depois dos quatro títulos mundiais com a Seleção, ganhei mais um. Acreditei na jogada do Jorginho, que tem uma qualidade técnica muito boa, e eu sabia que ele ia me achar para fazer o gol - disse.
O capixaba Rafinha destacou o apoio da torcida na arena montada na Represa de Guarapiranga.
- O Roberto falou para a gente antes do jogo que esse título seria importante para todos os vascaínos. Eu recebi até mensagem do Japão me desejando boa sorte. Só tenho que agradecer o carinho dos torcedores.
Para Rafinha, o equilíbrio entre as equipes torna o título do Vasco ainda mais especial.
- Sabíamos que todas as equipes do Mundialito viriam com elencos fortes. E o Sporting não foi diferente. Eles valorizaram muito a nossa vitória. Nós treinamos muito no Rio e chegamos preparados para brigar pela taça - encerrou.
 

26 de março de 2011

Vasco bate Sporting e é o primeiro campeão mundial de futebol de areia


Com apoio da torcida e diante do presidente Roberto Dinamite, o time cruz-maltino vence a final na manhã deste sábado por 4 a 2, de virada.

Sol, torcida apoiando, o presidente do clube, Roberto Dinamite, prestigiando. Num cenário perfeito, o Vasco conquistou o título do I Mundialito de Clubes de Futebol de Areia ao bater o Sporting por 4 a 2, na final disputada na arena montada na Represa de Guarapiranga, em São Paulo.
- Diziam que éramos favoritos, mas não começamos bem o campeonato. Fomos subindo de produção nas fases finais até conquistarmos o título contra o Sporting, que é uma grande equipe - analisou Betinho.
Mas o início foi complicado para o time da Colina. Com apenas 27 segundos de bola rolando, Leghissa cobrou falta do campo de defesa e Fernando DDI desviou: 1 a 0 Sporting. O gol deixou os jogadores do Vasco nervosos, Jorginho reclamou e levou cartão amarelo.
Mas aos poucos o time cruz-maltino colocou a cabeça no lugar e chegou à virada ainda no primeiro tempo. A quatro minutos do fim da etapa, Bruno Xavier empatou batendo no ângulo. Rafinha, pegando rebote do goleiro Paulo Graça a pouco mais de dois minutos do encerramento, fez o segundo.
O forte calor na manhã deste sábado em São Paulo fez com que os jogadores se poupassem. Poucas chances de gol foram criadas nos 12 minutos do segundo tempo e o placar de 2 a 1 para o Vasco não foi alterado.
No terceiro tempo, o Vasco sacramentou a vitória. Faltando 8m30s, Rafinha levantou para o uruguaio Pampero, de cabeça, encobrir o goleiro Graça e fazer um bonito gol. Um minuto depois, numa falta na entrada da área, Belchior diminuiu para o Sporting: 3 a 2.
Confiante na vitória, a torcida do Vasco começou a gritar olé a cinco minutos do fim da partida. Restando 1m45s, Belchior assustou ao acertar a trave do goleiro Salgueiro, mas no ataque seguinte Jorginho deixou Betinho na cara do gol para marcar o quarto e escrever o nome do Vasco na história como o primeiro campeão mundial de futebol de areia.
Pampero é eleito o craque do Mundialito
Após a final, a organização entregou os prêmios individuais da competição: o potiguar André (Flamengo) foi o 'Artilheiro' com 15 gols, o português Graça, do Sporting, recebeu o troféu de 'Melhor Goleiro' e o uruguaio Pampero, do Vasco, foi eleito o 'Melhor Jogador' do campeonato.
 

25 de março de 2011

Vasco não terá laterais titulares contra o Flu


Exame detecta estiramento no joelho direito de Fagner e Ramon pega gancho de três jogos no STJD.

Ramon pega gancho de três jogos no STJD e exame detecta estiramento no joelho direito de Fagner.

O Vasco não terá os laterais Ramon e Fagner no clássico de domingo, contra o Fluminense. O lateral-esquerdo foi julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na tarde desta quinta-feira e pegou uma punição de três jogos pela expulsão contra o Macaé, na estreia na Taça Rio. Já Fagner, sofreu um estiramento no joelho direito e também não tem condições de jogo.
O camisa 33 foi condenado no artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) - praticar jogada violenta e pegou três jogos. Porém, já cumpriu um, ao ficar fora do jogo contra o Duque de Caxias.
No primeiro jogo do returno, o árbitro Péricles Bassols expulsou Ramon aos 15 minutos do segundo tempo, com um cartão vermelho de forma direta. Péricles relatou na súmula do jogo que o jogador praticou "um jogo brusco grave chutando por trás as pernas do adversário".

Com dores na coxa esquerda, porém, Ramon não participou das atividades da tarde desta quinta-feira, em São Januário.

Na outra lateral, mais uma baixa. Fagner, que sofreu uma pancada durante o treino da última quarta-feira, teve um estiramento no ligamento colateral medial cruzado do joelho direito e ficará fora de 10 a 15 dias.

Assim, o técnico Ricardo Gomes não poderá contar com os dois laterais titulares para o duelo contra o Tricolor carioca.

Fluminense - Vasco de Gama - 5ª Rodada Campeonato Carioca da temporada 2010-11


Ramon pega gancho de três jogos no STJD e exame detecta estiramento no joelho direito de Fagner.

O Vasco não terá os laterais Ramon e Fagner no clássico de domingo, contra o Fluminense. O lateral-esquerdo foi julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na tarde desta quinta-feira e pegou uma punição de três jogos pela expulsão contra o Macaé, na estreia na Taça Rio. Já Fagner, sofreu um estiramento no joelho direito e também não tem condições de jogo.
O camisa 33 foi condenado no artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) - praticar jogada violenta e pegou três jogos. Porém, já cumpriu um, ao ficar fora do jogo contra o Duque de Caxias.
No primeiro jogo do returno, o árbitro Péricles Bassols expulsou Ramon aos 15 minutos do segundo tempo, com um cartão vermelho de forma direta. Péricles relatou na súmula do jogo que o jogador praticou "um jogo brusco grave chutando por trás as pernas do adversário".

Com dores na coxa esquerda, porém, Ramon não participou das atividades da tarde desta quinta-feira, em São Januário.

Na outra lateral, mais uma baixa. Fagner, que sofreu uma pancada durante o treino da última quarta-feira, teve um estiramento no ligamento colateral medial cruzado do joelho direito e ficará fora de 10 a 15 dias.

Assim, o técnico Ricardo Gomes não poderá contar com os dois laterais titulares para o duelo contra o Tricolor carioca.

24 de março de 2011

Novo uniforme do Vasco é lançado em evento contra o racismo

Novo uniforme do Vasco é lançado em evento contra a discriminação de raças.

Além do tradicional desfile com os jogadores, clube promoveu simpósio para debater o assunto.

 

Em grande evento na manhã desta quinta-feira, na Sede Náutica da Lagoa, o Vasco lançou a nova terceira camisa. O goleiro Fernando Prass, o zagueiro Dedé e o apoiador Bernardo foram os modelos escolhidos e desfilaram com o novo uniforme. A estreia vai acontecer na partida contra o Bangu, dia 3 de abril, válida pela sexta rodada da Taça Rio, às 16h, em São Januário.
A terceira camisa faz alusão ao histórico time que ficou conhecido como Camisas Negras. Na época, o Vasco foi o primeiro clube grande a permitir negros em seu elenco no Brasil, entre 1923 e 1924, negando a solicitação da federação, que pedia a retirada de 12 jogadores negros do time. No lado esquerdo do peito da camisa, há a imagem de uma mão espalmada em preto e branco. E, na gola, está escrito "Democracia e inclusão".
Tomando como base esta história, um simpósio discutiu o tema "Racismo no Futebol" antes do desfile dos jogadores. Estiveram presentes na mesa, ao lado do presidente Roberto Dinamite, outros dirigentes do clube, além de especialistas sobre o assunto. Dinamite disse se sentir orgulhoso por fazer parte de um clube - primeiro como jogador e agora como dirigente - que foi tão importante para a igualdade racial no país e por poder reviver esta história.
- Estamos dando continuidade a um processo muito importante na história do nosso futebol. O Vasco e a sua diretoria enfrentaram tudo e todos em busca dessa igualdade. Sem eles, as portas para o maior jogador da história do futebol mundial, o nosso Pelé, poderiam estar fechadas até hoje - afirmou.
Dedé disse estar orgulhoso de poder vestir uma camisa com tanto poder simbólico. O zagueiro disse que nunca sofreu racismo em campo, mas que sofre quando sabe de casos envolvendo outros atletas - o exemplo mais recente foi lateral Roberto Carlos, nesta semana, na Rússia.
- É muito bom relembrar esse passado bonito do clube. Isso comove também a torcida. Achei a camisa bonita, e vamos ter orgulho em vesti-la. Tem a cara do Vasco, e agora temos que honrá-la em campo. O movimento contra o racismo é muito importante, porque ele não acabou no mundo. Eu felizmente nunca sofri com isso em campo. Sempre fui respeitado onde joguei. Quando vejo o que acontece com alguns atletas na Europa, sinto na pele. Tento reverter tudo isso em motivação, acaba me fortalecendo.
O diretor de marketing vascaíno, Marcos Blanco, disse que o clube tem uma meta ambiciosa. O objetivo é superar o número de venda da antiga terceira camisa, da cruz templária, que foi comprada por cerca de 100 mil torcedores. Ele avisou que fará mais ações promocionais para incentivar a torcida.
- Na semana passada, o assunto já surgiu forte com a presença do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Ainda faremos uma série de ações para promover a camisa. Vamos estreá-la contra o Bangu, um jogo que será transmitido em TV aberta, em São Januário. Estimamos superar o número de vendas da camisa templária.
Compre a terceira camisa do Vasco na loja GLOBOESPORTE.COM

 

Mesmo com contratações, folha salarial aumentou pouco no Vasco

Diego Souza e Alecsandro: as duas principais contratações do Vasco
Crédito: Marcelo Sadio - Vasco.com.br
De patinho feio entre os quatro grandes, o Vasco vem ganhando corpo nos últimos meses. O peso de nomes como os dos atacantes Alecsandro e Leandro e do meia Diego Souza, que trazem na bagagem prêmios e títulos, mudou o perfil de um elenco extremamente jovem e a intenção da diretoria de gastar pouco até o meio do ano. Na comparação com os dois últimos anos, contratou-se menos, mas o investimento foi bem maior.

Foram dez jogadores até agora — Marcel, no entanto, chegou e já saiu — e apenas a contratação de Diego Souza custou ao Vasco quase R$ 1,5 milhão, ainda que a negociação tenha tido a participação da Traffic e outros investidores. Alecsandro veio do Inter numa transação que incluiu os direitos econômicos do atacante Zé Roberto. De folha salarial estimada em R$ 1,9 milhões em 2010, o custo subiu pouco, segundo a diretoria, e ainda está dentro do previsto.

— Em termos de folha mensal houve um crescente sim nos últimos anos, mas dentro dos nossos limites e muito parecido com o do ano passado. Estamos apostando em mais qualidade e menos quantidade — disse o diretor executivo Rodrigo Caetano.

No início do ano, pelos problemas vividos na temporada anterior, nas análises dos críticos, o time de São Januário não passava de quarta força do Rio. Rivais reforçados com nomes de peso ou apoiados pelos títulos de 2010 e o vexaminoso início de Estadual comprovaram a tese. O que mexeu no planejamento da diretoria. O discurso inicial era a manutenção do elenco e da comissão técnica de 2010 e poucas contratações. Reforços mais importantes era o plano apenas para o final do primeiro semestre. Os resultados, no entanto, anteciparam as ações.

— Não vou ser hipócrita e dizer que os maus resultados nos fizeram mudar o planejamento. Estávamos conversando tanto com o Diego Souza quanto o Alecsandro desde o início do ano. Mas a negociação seria mais para a frente — disse.

Fágner se machuca

Com a manutenção de Felipe e Éder Luís, repatriados no meio do ano passado, a chegada de jogadores tarimbados e promessas como Bernardo dando mostras de seu talento, o elenco mostra mais equilíbrio e opções de mudanças. Mas apenas com conquistas para entrar para a história.

— Sem dúvida é um dos elencos mais fortes dos últimos anos do Vasco. É importante ter pelo menos uns dois jogadores por posição, pela sequência de jogos e cartões. É um elenco de qualidade, mas sem ser grande.

Ontem, o lateral-direito Fágner levou uma pancada no joelho direito e fará exame de imagem para avaliar o grau da lesão e sua participação no treino de hoje à tarde.
Fonte: Jornal O Globo

22 de março de 2011

Após o quarto jogo sem sofrer gols, zaga se diz pronta para o Tricolor

Dedé quer manter Vasco sem sofrer gols no domingo
(Foto: Marcelo Sadio / Site Oficial do Vasco da Gama)

Mesmo sem nunca ter enfrentado Fred, Dedé elogia qualidade do camisa 9 do Fluminense e pretende manter o bom momento com mais uma vitória.

 

Nas últimas semanas, a defesa do Vasco foi o setor mais falado em função do alto número de gols sofridos. A preocupação contra o Botafogo era ainda maior por causa da catimba da dupla de ataque formada por Herrera e Loco Abreu. Mas, pela quarta vez na temporada - contra Volta Redonda, Americano, América e Botafogo -, Fernando Prass passou um jogo sem buscar a bola no fundo das redes. No domingo, a preocupação continua, já que Emerson e Fred estão entre os melhores atacantes do país. Mas o setor defensivo agora retomou a confiança.
Dedé era só alegria ao comentar o bom desempenho no último jogo. Segundo o zagueiro, o técnico Ricardo Gomes deu atenção especial ao setor, que entrou mais prevenido em campo, conseguidno neutralizar a principal arma do rival. No domingo o jogo vai ser diferente, mas Dedé garante que se o time mantiver o alto nível de concentração tem tudo para fazer uma boa partida, mesmo sem conhecer profundamente o estilo dos rivais.
- Nunca joguei contra o Fred, mas sei que ele é um goleador bastante inteligente. Já o Emerson é muito veloz e tem uma força de vontade impressionante. A qualidade aumenta e nós não podemos deixar nenhum espaço. Se eles tiverem uma oportunidade clara, os gols vão acontecer. Contra o Botafogo entramos prevenidos e isso vai se repetir - explicou.
O confronto com Loco Abreu ainda rendia comentários no clube. Na primeira vez que enfrentou o uruguaio, Dedé se estranhou com a catimba. No último domingo, o camisa 26 já foi ao gramado sabendo o que encontraria pela frente. Seu companheiro Anderson Martins não. Tanto é que ele chegou a se estressar com o rival e coube ao próprio Dedé acalmá-lo.
- Seu estilo de jogo é esse. O Loco Abreu é um dos melhores do mundo pelo alto. Ele acabou se estranhando com o Anderson e eu só quis orientar. No intervalo até conversei com o Loco, mas não foi nenhum tipo de discussão - esclareceu.

Mal chegou e Alecsandro já deixa Ricardo Gomes com dor de cabeça

Alecsandro ao lado do presidente do Vasco,
Roberto Dinamite Vasco (Foto: Flickr do Vasco)
Ricardo Gomes pensativo no treino do Vasco
(Foto: Marcelo Sadio / Site Oficial do Vasco da Gama)

Treinador diz que atacante chegou para ser titular, mas admite que ainda não sabe onde vai encaixá-lo no esquema de jogo do Vasco.

 

Alecsandro se reapresentou na manhã desta terça-feira para iniciar os trabalhos com os novos companheiros. Como já estava treinando sem maiores problemas no Internacional, o atacante acredita que vai estar em condições de fazer sua estreia pelo Vasco no clássico do próximo domingo, às 18h30, contra o Fluminense, no Engenhão. Resta saber agora como Ricardo Gomes vai fazer para encaixar o novo reforço após uma atuação tão convincente do time contra o Botafogo, no último domingo.
O treinador confessou que a missão é muito complicada. Ricardo elogiou a movimentação do setor ofensivo após a entrada de Diego Souza. Além disso, o atacante Elton, que foi sacado para a entrada do camisa 10, também recebeu elogios. Brincalhão, afirmou que a semana vai deixá-lo com muita dor de cabeça.
- Vocês me perguntam onde ele vai entrar e eu respondo de imediato: não faço a menor ideia (risos). Agradeço demais à diretoria do Vasco pelo esforço e competência nas contratações. É um problema meu, mas ainda não tenho resposta. Deixa ele começar a trabalhar e depois vocês me perguntam de novo - brincou.
Ricardo Gomes gostou da formação, mas disse que esta é apenas uma das possibilidades. O treinador vê com bons olhos a ideia de ter dois atacantes de ofício no time, além dos três armadores: Felipe, Bernardo e Diego Souza. No entanto, ele sabe que, desta maneira, o time fica muito mais exposto na defesa, o que inviabilizaria a utilização em clássicos, por exemplo. A tendência é repetir contra o Fluminense a escalação que venceu o Botafogo. Mas Ricardo não vê isso como obrigação.
- Acabou aquele tempo em que o torcedor sabia a escalação do seu time de cabeça. Hoje o futebol é dinâmico. Mantemos uma base, mas cada adversário pede uma ou outra adaptação o que acaba interferindo na escalação. E isso não é prejudicial como tanto se fala - afirmou.
Alecsandro foi apresentado no Vasco na última quinta-feira. Após ser aprovado nos exames médicos e assinar o contrato, ele retornou a Porto Alegre para finalizar os detalhes de sua mudança para o Rio de Janeiro. O atacante é do Vasco pelos próximos três anos.

20 de março de 2011

É o Trem Bala da Colina! Vasco vence o Botafogo no Engenhão: 2x0

Estreante marca o primeiro gol da vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo no Engenhão.
Diego Souza não poderia imaginar uma melhor estreia. Em seu primeiro jogo com a camisa do Vasco, o meia marcou um gol e ajudou sua equipe a vencer o Botafogo por 2 a 0, no Engenhão, pela quarta rodada da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca. O segundo foi assinalado por Eder Luis, em um belo voleio no segundo tempo. Com o resultado, o Cruzmaltino passou a liderar o grupo A. Já o alvinegro, permaneceu na primeira colocação porque os resultaram da rodada ajudaram.

Na próxima rodada, o Botafogo enfrenta o Boavista, sábado, às 18h30, no Moacyrzão. Já o Vasco, faz o clássico diante do Fluminense, domingo, às 18h30, no Engenhão.

Na entrada do Vasco em campo, o grupo mostrou solidariedade com os japoneses que foram vítimas de terremotos no país. Os atletas mostravam a mensagem: "Força, Japão" na camisa. Com a bola rolando, o time apresentou uma escalação ofensiva, mas com somente Eder Luis na frente. Diego Souza realizava sua estreia com a camisa cruzmaltina. Outra novidade foi a entrada de Allan improvisado na lateral direita.

Já o Botafogo manteve a formação com três volantes no meio e somente Everton na armação. Mesmo contestado pela torcida, o lateral-esquerdo Márcio Azevedo foi mantido na posição. A postura das duas equipes era muito clara desde os primeiros minutos.

O Vasco tentava pressionar o Botafogo por conta da sua maior qualidade individual do meio para frente. Já o alvinegro, apostava nos contra-ataques. Logo aos nove, Eder Luis teve uma chance clara para abrir o placar ao receber um bom passe de Bernardo. No entanto, acertou o peito de Jefferson ao ficar de frente para o goleiro. O adversário respondeu dois minutos depois com um chute de Arévalo de fora da área. O volante pegou a sobra da defesa e finalizou com perigo.

O jogo, no entanto, que começou animado passou a ser mais estudado ao longo do primeiro tempo. A equipe cruzmaltina encontrava poucos espaços para entrar na área alvinegra porque a marcação estava muito forte. Nos minutos finais, o confronto voltou a empolgar porque Jefferson chegou a salvar o Botafogo em pelo menos três lances.

Os alvinegros reclamaram de um gol anulado, aos 37. Após lançamento para a área, Loco Abreu ajeita e Herrera completa para a rede. A arbitragem, entretanto, assinalou acertadamente o impedimento.

O comportamento das equipes não alterou tanto no início do segundo tempo. Mesmo com o Botafogo saindo um pouco mais para o jogo, era o Vasco quem continuava próximo do gol. Ramon e Bernardo tiveram suas chances, mas coube ao estreante Diego Souza abrir o placar, aos 14. O meia se aproveitou de uma falha de João Filipe, driblou Jefferson e completou para a rede.

Foi só o Vasco abrir o placar para Joel Santana mexer no time do Botafogo. O técnico sacou os dois laterais Lucas e Márcio Azevedo e promoveu as entradas de Caio e Marcelo Mattos, respectivamente. As mudanças, no entanto, não surtiram o efeito desejado.

Precisando sair de seu campo para reagir na partida, o Botafogo cedeu os espaços que o Vasco tanto necessitava. Os cruzmaltinos controlavam bem a sua vantagem e ainda conseguiram ampliar o marcador com um belo gol. Após cobrança de escanteio, Dedé ajeitou e Eder Luis marcou através de um voleio.

A vantagem não impediu o Vasco de continuar atacando o Botafogo. O time de São Januário esteve próximo de marcar em chutes de Diego Souza e Bernardo. Nas duas, Jefferson apareceu bem e evitou uma derrota mais elástica. Já o alvinegro, estava atordoado em campo e ainda viu o técnico Joel Santana ser expulso após reclamar da arbitragem. Algumas chances foram criadas na tentativa de diminuir o placar, mas o jogo acabou mesmo com a vitória cruzmaltina por 2 a 0.
Fonte: UOL Esporte

Rodrigo Caetano afirma que faltam detalhes por Juninho

Juninho Pernambucano tem contrato com o Al-Gharafa, do Qatar, até maio 

Dirigente vascaíno ressalta vontade do jogador em retornar e lembra que prazos de inscrição não dependem do clube..

O diretor-executivo Rodrigo Caetano afirmou, neste sábado, que o retorno de Juninho Pernambucano a São Januário depende apenas de alguns ajustes. O dirigente cruz-maltino lembrou o desejo do meia em voltar ao clube e que, fisicamente, o jogador se sente preparado em atuar pelo Vasco.

 As notícias do Vasco chegam antes até você!
- Agora, realmente creio que depende de ajustes e nós, Vasco da Gama, estamos aguardando a sinalização dele para quem sabe definirmos melhor esse projeto. Creio que é desejo dele voltar para o Brasil e para o Vasco, e o interesse do Vasco é o mesmo, não resta a menor dúvida. Em percentual, creio que, ate pelo rendimento e desempenho dele lá, ele entende que tem condições físicas e técnicas de realizar mais um contrato e que, num futuro, que não seja tão breve, em encerrar sua carreira aqui no Vasco - disse à Rádio Globo.

Juninho tem contrato com o Al-Gharafa (QAT) até maio, porém, estuda a rescisão de contrato para que consiga retornar ao Brasil mais cedo e se inscrever antes do fechamento da janela, que acontece no começo de abril. A intenção do jogador é que não tenha de esperar o mês de agosto para atuar pelo Vasco. Rodrigo Caetano lembrou que esta questão dos prazos de inscrição é delicada por envolver outro clube e ressaltou que não quer frustrar o torcedor.

- A questão do prazo talvez impeça que o Vasco tenha esses grandes jogadores no primeiro semestre como já ocorreu num passado recente. É uma coisa que foge um pouco da vontade do Vasco, pois tem um clube envolvido e tem o contrato do atleta envolvido. Isso é uma parte que requer um pouco mais de cautela e cuidado para que não venha gerar uma expectativa que venha frustrar logo seguir - concluiu.
No começo do ano Juninho Pernambucano conversou com o presidente Roberto Dinamite, que lhe apresentou o projeto do Vasco. O jogador se mostrou interessado em retornar ao clube de São Januário. A recente saída do técnico Caio Jr. do clube árabe pode acelerar a despedida do meia.

Vasco x Botafogo traz duelo de gigantes

Dedé e Loco são ídolos das torcidas de Vasco e Botafogo, respectivamente (Foto: Mario Alberto)



Dedé, o Mito, tentará conter Abreu, o Loco

De um lado, com 1,92m, o xerife da zaga, o Mito, Dedé. Do outro, com 1,93m, o goleador uruguaio, o Loco, Abreu. O que poderia ser a chamada para um combate de gigantes do ringue, é, na verdade, a apresentação do duelo entre dois gigantes do gramado, que representarão respectivamente Vasco e Botafogo nesta tarde, com transmissão em tempo real pelo LANCENET!. Mais do que líderes de seus times, eles são atualmente os xodós de suas torcidas, o que atrai uma atenção ainda maior para o confronto individual, que pode definir o clássico.
Eles não jogam na mesma posição e nem têm aspirações parecidas na carreira. Afinal, um já é ídolo da seleção uruguaia e o outro ainda busca uma primeira vez com a Amarelinha. O que chama mesmo a atenção no duelo é tamanha idolatria que cada um tem de sua torcida. Cada um à sua maneira.
No caso de Loco Abreu parece ser mais fácil explicar o porquê de tanta admiração. Afinal, o uruguaio chegou ao clube com status de ídolo. Entre alguns gols de cabeça aqui e uma cavadinha ali, como na final do Estadual de 2010 contra o Flamengo, ele foi conquistando ainda mais o posto de xodó da torcida. Já é comum ver na arquibancada, durante os jogos do Botafogo, bandeiras e camisas do Uruguai.
O marketing do clube não se cansa de explorar a imagem do atacante. Até uma camisa celeste, com o símbolo do Botafogo e o número 13 às costas, foi criada em sua homenagem.
Para Dedé, o caminho foi mais árduo. Contratado do Volta Redonda como uma promessa, começou mal. Estabanado em algumas partidas, estava longe de ser um Mito, como é chamado atualmente. Mas, a partir da metade de 2010, deu a volta por cima, fazendo até gols. Foi eleito o melhor zagueiro pela direita do Brasileirão do ano passado. Logo, virou ídolo.
Na única vez em que se enfrentaram, pelo returno do Brasileiro de 2010, deu empate por 2 a 2, com um gol de Abreu. Dedé teve boa atuação e não foi vencido no mano a mano. Nesta tarde, eles estarão frente a frente de novo. Vai dar o Mito ou o Loco? Faça sua aposta.

19 de março de 2011

Retorno de Juninho Pernambucano é dado como certo no Vasco

O retorno de Juninho Pernambucano para a disputa do Campeonato Brasiliero é dado como certo no Vasco. O apoiador já avisou no Al Gharafa, do Qatar, que não vai renovar o seu contrato, que termina em junho, e vai deixar o clube em abril. Resta apenas decidir se vai ou não continuar jogando. Caso volte ao Brasil, será para o clube do qual faz parte da galeria eterna de ídolos. A decisão final sai até o fim deste mês.

Como se vê, ainda falta muito para uma definição concreta. Mas a possibilidade de contar com Juninho Pernambucano já mexe com o clube. Diego Souza, por exemplo, ainda nem fez sua estreia e já foi questionado sobre como vai ser jogar ao seu lado. Para o camisa 10, sempre há espaços em campo para jogadores da sua qualidade.

- O Juninho se encaixa de qualquer jeito no nosso time. Se quiser voltar ao Brasil, tem totais condições de jogar. Ele é um dos grandes ídolos do Vasco, conquistou muitos títulos na sua carreira e é um jogador de muita qualidade. Seria uma peça importante - explicou.

O técnico Ricardo Gomes arrancou muitas risadas quando foi responder sobre o mesmo assunto. Também não poderia ser diferente. O treinador está quebrando a cabeça desde o primeiro treino nesta semana para encaixar Diego Souza da melhor maneira possível em um time que já conta com Felipe e Bernardo vivendo grande momento na temporada. A ideia de contar com mais um jogador de qualidade como Juninho Pernambucano agrada e muito ao comandante. Mas o espaço em campo ele prefere esperar um pouco mais.

- Claro que é uma ótima ideia trazer o Juninho. Mas eu já tenho muitas dificuldades hoje para escalar o time (risos). Vamos ver como tudo vai se desenvolver e depois eu queimo minha cabeça com isso - brincou.

O Vasco, em parceria com a Penalty, já formalizou uma proposta para o seu retorno envolvendo uma grande ação de marketing. No início do ano, o presidente do Vasco, Roberto Dinamite, esteve pessoalmente com Juninho Pernambucano e saiu otimista do encontro. A ideia inicial é fazer um contrato até o fim do ano, mas existe a possibilidade também de ele disputar o próximo Campeonato Carioca.
Fonte: GloboEsporte.com

17 de março de 2011

Atacante Alecsandro é o novo reforço do Vasco

O Vasco acertou nesta quinta-feira (17/03), a contratação do atacante Alecsandro, que será apresentado às 17h, em São Januário. O jogador que teve uma excelente média de gols jogando pelo Internacional (54 gols em 116 jogos), espera construir uma carreira ainda mais vitoriosa no novo clube. O contrato terá a duração de três anos.

- Passei por vários clubes e sempre dei minha contribuição com gols, o que é muito importante, já que sou atacante. Estou feliz em estar aqui e espero aumentar a minha média de gols jogando aqui no Vasco – disse o recém contratado com exclusividade ao site oficial.

Na chegada ao clube, Alecsandro conheceu o presidente vascaíno Roberto Dinamite e fez uma brincadeira séria com o ídolo.

- Tive a felicidade de conhecer o presidente pessoalmente e brinquei com ele, dizendo que quero conseguir fazer 20% dos gols que ele fez. Falei brincando, mas é uma brincadeira séria para tocar no manto dele e fazer com que ele passe tudo de positivo na vida e na carreira para mim. O presidente tem uma história muito grande no clube, com gols e títulos. Ele representa muito para o Vasco e para mim ele é um ídolo, uma pessoa que tenho como referência – concluiu.

'O Juninho está com vontade de jogar no Vasco', afirma procurador

Juninho Pernambucano deve voltar ao Vasco no
meio do ano (Foto: agência Reuters)

Vinculado ao Al Gharafa até junho, Juninho Pernambucano quer primeiro terminar a temporada local para encerrar carreira no Brasil, diz José Fuentes

Sonho da torcida, Juninho Pernambucano, ao que parece, está cada vez mais próximo de voltar a vestir a camisa do Vasco antes de encerrar a carreira. De acordo com seu procurador, o ‘Reizinho da Colina’, caso retorne ao Brasil, será para jogar novamente no Gigante.
- Sem dúvida o carinho do torcedor influencia. Ele acompanha de perto tudo o que acontece no Brasil e particularmente no Vasco. Diria o seguinte: a proposta é muito boa, mas se a proposta for menos boa, o Juninho voltaria do mesmo jeito. É importante ressaltar que o Juninho está com vontade de jogar no Vasco – revelou José Fuentes à Rádio Brasil.
No entanto, a ansiedade pelo retorno do ídolo, que está com 36 anos, deve pairar em São Januário até junho. Juninho Pernambucano, apesar de deixar claro aos árabes do Al Gharafa que não vai renovar seu contrato – muito em função da demissão do técnico brasileiro Caio Júnior –  não pretende deixar o time antes do fim da temporada local.
- Outra coisa importante é que o Juninho, conhecendo ele, o sentido profissional do atleta, certamente não vai querer ser liberado e deixar os companheiros terminarem o campeonato (do Qatar) sem ele. Repito: Juninho é um atleta muito profissional, assume as responsabilidades. O Al Gharafa se comporta muito bem com ele e ele não gostaria de deixar o time quatro, cinco rodadas na mão – concluiu Fuentes.

Alecsandro já está no Rio de Janeiro para assinar com o Vasco


Vasco mobiliza 'batalhão' para inscrever Alecsandro no Carioca

O atacante Alecsandro desembarcou na manhã desta quinta-feira no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. O jogador será apresentado pelo Vasco após o treino da tarde em São Januário. Alecsandro desembarcou acompanhado de seu agente Oldegar Filho e do diretor executivo de futebol cruz-maltino, Rodrigo Caetano.

Na sexta-feira, o jogador voltará para o Rio Grande do Sul para resolver problemas particulares. No início da próxima semana, Alecsandro se reapresentará no clube para começar as atividades junto do grupo vascaíno.

No desembarque, o jogador preferiu ainda não se pronunciar. Alecsandro falará somente durante a entrevista coletiva desta tarde.
Fonte: Lancenet
Rio - O atacante Alecssandro chegou ao Rio de Janeiro nesta quinta-feira para realizar exames médicos e assinar contra o Vasco. O clube corre contra tempo para inscrevê-lo no Campeonato Carioca. O prazo termina no final da tarde e os dirigentes mobilizaram um batalhão de profissionais para viabilizar a regularização do atleta.

O clube tem tido problema para inscrever atletas e chegou a ficar sem vários jogadores no início do Estadual por conta da demora na inscrição de Eduardo Costa, Dedé, Anderson Martins e outros. O meia Diego Souza foi foi regularizado essa semana pelo clube.

Alecssandro dará sua primeira entrevista na tarde desta quinta-feira, após os exames médicos. Depois de um início pífio, o Vasco se reforçou com Diego Souza, Chaparro, Leandro e o próprio Alecssandro. No meio do ano, acontecerá a eleição presidencial no clube e o atual presidente, Roberto dinamite, é um dos candidatos.
Fonte: O Dia

16 de março de 2011

Vasco acerta a contratação do atacante Alecsandro

Vasco corre para inscrever Alecsandro na Taça Rio (Foto: Lucas Uebel 

Jogador desembarca no Rio de Janeiro na próxima sexta-feira..

Após duas tentativas, o Vasco acertou nesta quarta-feira com o Alecsandro, que estava no Internacional. O atacante chega a São Januário para substituir Marcel, que deixou o clube na última semana. O diretor de futebol do clube carioca, Rodrigo Caetano, esteve reunido nesta tarde com representantes do jogador e do Colorado, em Porto Alegre, para concretizar a negociação. O atleta assinará contrato de três anos. O objetivo é conseguir inscrevê-lo a tempo no Campeonato Carioca. O prazo termina nesta quinta-feira.
Alecsandro desembarca no Rio de Janeiro na sexta-feira para realizar exames médicos. No início do ano, o Vasco já havia tentado trazer jogador, mas a negociação não evoluiu porque o Internacional considerou baixa a proposta feita. Os valores não foram revelados, mas especula-se que o Cruz-Maltino não aumentou a proposta de 1 milhão de euros, cerca de R$ 2,4 milhões. A composição financeira vai envolver a segunda parcela da negociação de Zé Roberto entre os clubes. O Vasco teria de receber R$ 1,5 milhão em duas parcelas, mas até o momento só recebeu a primeira. A segunda será abatida.
O vice de futebol do Internacional, Luís Anápio, confirmou o negócio. O dirigente fez questão de elogiar o atleta, mas afirmou que o alto salário que recebia influenciou na saída do atleta:
- É um jogador inquestionável. Porém, recebia um salário muito alto. Foi bom para o clube e para o atleta - disse o dirigente, ao Clic RBS.
Com a contratação do argentino Fernando Cavenaghi, no início do ano, Alecsandro não vinha sendo aproveitado pelo técnico Celso Roth no Internacional.

Juninho Pernambucano pode chegar ao Vasco ainda neste mês

Juninho Pernambucano está ainda mais próximo do Vasco e pode vir antes do que se imagina. O jogador recusou ontem a proposta de renovação feita pelo Al Gharafa (QAT) e pode pedir a rescisão do contrato, que terminará em maio, ainda este mês. A despedida do técnico Caio Júnior do clube, que aconteceu no domingo passado acelerou o processo de saída do meia.


A intenção de Juninho ao rescindir o contrato seria a de voltar para o Brasil o mais rapidamente possível e resolver o seu destino, o que ele pretende fazer até o início de abril. Assim, o jogador teria a possibilidade de atuar ainda no primeiro semestre. Caso contrário, teria de esperar a janela de transferência internacional abrir novamente e só estaria apto a jogar apenas em agosto.

O meia conversou com o presidente Roberto Dinamite no começo deste ano e gostou da proposta apresentada. A intenção seria assinar com o clube até dezembro, quando encerraria a carreira. Posteriormente, teria um projeto de gestão de carreira e Juninho poderia, inclusive, ter um cargo de dirigente.

(Matéria reproduzida diretamente da versão papel do Jornal Lance)
Fonte: Jornal Lance




Rodrigo Caetano se reúne para fechar com Alecsandro, do Inter

Alecsandro deve pintar na Colina
(Foto: Lucas Uebel / VIPCOMM)

Diretor de futebol do Vasco está em Porto Alegre e acerto com o atacante pode ser concretizado ainda nesta quarta-feira

Após a saída repentina de Marcel, o Vasco buscou um velho interesse para solucionar o problema: Alecsandro. O diretor de futebol do Vasco, Rodrigo Caetano, está reunido desde o fim da tarde desta quarta-feira com representantes do atacante e do Internacional, em Porto Alegre, para concretizar a negociação. O objetivo é anunciar de maneira oficial o mais rapidamente possível para conseguir inscrevê-lo a tempo no Campeonato Carioca. O prazo termina nesta quinta-feira.
No início do ano, o Vasco já havia tentado trazer Alecsandro, mas a negociação não evoluiu porque o Internacional considerou baixa a proposta feita. Os valores não foram revelados, mas especula-se que o Vasco não aumentou a proposta de 1 milhão de euros, cerca de R$ 2,4 milhões. A composição financeira vai envolver a segunda parcela da negociação de Zé Roberto entre os clubes. O Vasco teria de receber R$ 1,5 milhão em duas parcelas, mas até o momento só recebeu a primeira. A segunda será abatida.
Como o atacante segue sem ter oportunidades no time titular, principalmente após a chegada do argentino Fernando Cavenaghi, o Internacional não deve segurá-lo.

Internacional já confirma ida de Alecsandro para o Vasco


Atacante chega como pagamento por Zé Roberto

O Internacional já dá como certo o acerto de Alecsandro com o Vasco. O vice-presidente do clube, Luis Anapio, confirmou que os detalhes já foram acertados nesta noite.

A transação foi selada por cerca de R$ 2,3 milhões, com a presença de Rodrigo Caetano, diretor-executivo do Vasco, em Porto Alegre (RS). O clube carioca aceitou pagar os 10% de direitos econômicos do jogador, além de prêmios que ele tinha direito a receber do Colorado.

Conforme o LANCENET! havia adiantado desde o início das negociações, os valores que o Inter ainda teria que pagar ao Vasco pela contratação do apoiador Zé Roberto foram inseridos no acordo.

- Acertamos tudo agora a pouco. Ficou elas por elas, o que devíamos em troca do Alecsando. Eles estão com pressa, o contrato já foi até redigido. O Vasco têm de inscrevê-lo até amanhã (quinta-feira) - destacou o vice-presidente do Inter, Luis Anápio.
Fonte: Lancenet

13 de março de 2011

Bernardo faz três e Vasco bate o Madureira

Bernardo comemora um dos seus três gols da vitória do Vasco sobre o Madureira (Foto: Ag. Estado)

Camisa 31 deu show e marcou três vezes na vitória cruzmaltina por 4 a 2 neste domingo, em Volta Redonda

Com três gols do meia, time cruzmaltino vence o Madureira por 4 a 2 em jogo sofrido
Se Bernardo já vinha agradando, neste domingo, em Volta Redonda, conquistou definitivamente uma vaga no coração da torcida cruzmaltina. Com três gols, o camisa 31 foi o dono do jogo na suada vitória do Vasco por 4 a 2 sobre o Madureira. Além da trinca, o meio-campista arrancou suspiros das arquibancadas com dribles e toques envolventes.
Fellipe Bastos completou para os cruzmaltinos, que, com a vitória, voltam à zona de classificação para as semifinais da Taça Rio. Na próxima rodada, faz o clássico contra o Botafogo, domingo, no Engenhão.
Já o Tricolor Suburbano, que chegou a igualar o placar por duas vezes, com Rodrigo e Adriano Magrão, perdeu a segunda na competição. No próximo domingo, volta a campo para encarar o Americano, em Campos.
PRIMEIRO TEMPO IMPECÁVEL
Foi um primeiro tempo impecável. Usando e abusando dos toques de bola, o Vasco tomou o domínio da partida desde o início. O recém-chegado Bernardo, já à vontade com a nova camisa, transformou o meio-campo da equipe comandada por Ricardo Gomes. Do camisa 31, sairam não só as melhores jogadas, como o gol que colocou o time da Colina em vantagem antes do intervalo. Após bela tabela com Felipe, ele bateu cruzado, fazendo justiça ao jogo.
Vantagem que deveria ter acontecido antes. Logo no início, Elton recebeu de Bernardo e chutou firme, estufando as redes de Anísio. Mas o bandeira, equivocadamente, assinalou impedimento do camisa 9, que estava um passo atrás da linha de defesa.
Destaque também para o atacante Eder Luis. Depois de um mal início de ano, o camisa 7 começa a recuperar o futebol que encantou a torcida ano passado. Neste domingo, teve boa movimentação, arrumou dribles desconcertantes, mas, para variar, pecou na finalização.
BERNARDO SALVA O VASCO DE OUTRO TROPEÇO
Do lado do Madureira, as principais jogadas saiam pelas laterais, principalmente com Valdir, na direita. Partiu dele a jogada que culminou no belo gol de empate do Tricolor Suburbano. Depois da arrancada do camisa 2, Rodrigo domina pelo meio e chuta por cobertura. Prass, de joelhos, só pôde ouvir o farfalhar das redes. Segundo gol por cobertura sofrido pelo arqueiro cruzmaltino em uma semana.
Mas a torcida do Vasco não pode lamentar o goleiro que tem. Não fosse suas defesa, o Madureira teria chegado à virada logo em seguida. Rodrigo agora ataca de garçom, deixa Adriano Magrão na cara do gol; mas o ex-atacante do Fluminense foi parado pelas mãos de Prass.
Após a bela defesa, o Vasco voltou a ficar na frente. Outra vez, jogada entre Bernardo e Felipe. Outra vez, o camisa 31 chutou forte, marcando seu terceiro tento com a camisa cruzmaltina.
Mas a defesa do Vasco queria emoções. Após cruzamento de Valdir, Dedé falha na marcação e Adriano Magrão se redime e coloca igualdade novamente no placar.
E o que acontece quando o Vasco sofre o empate? Bernardo vai lá e marca. E, aos 43 minutos, ele assinalou a trinca, de cabeça, assegurando a segunda vitória cruzmaltina na Taça Rio.
E tinha tempo para mais. Fellipe Bastos, que entrou justamente na vaga do herói da tarde, marcou o quarto gol, dando mais justiça à superioridade cruzmaltina em toda a partida.
MADUREIRA 2 X 4 VASCO

Bernardo faz três e garante vitória do Vasco sobre o Madureira: 4 a 2

Bernardo dá show na vitória cruzmaltina sobre o Madureira

Camisa 31 deu show e marcou três vezes na vitória cruzmaltina por 4 a 2 neste domingo, em Volta Redonda

No ensaio para os clássicos que virão, time cruzmaltino passa alguns sufocos mas, no fim, supera o Tricolor suburbano

Bernardo mostrou que a técnica ainda pode falar alto dentro do futebol brasileiro. Com grande aparição do jovem meia, que marcou todos os gols cruzmaltinos, o Vasco venceu o Madureira por 4 a 2, neste domingo, no Raulino de Oliveira, pela terceira rodada da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Estadual.

Com o resultado, o Vasco chegou aos mesmo seis pontos do Boavista dentro do grupo A, entrou na lista de classificados para a semifinal do turno, e ganha moral para os clássicos que terá em seguida dentro do Campeonato Estadual. Já o Tricolor Suburbano manteve os três na outra chave.

As duas equipes voltam a campo no próximo final de semana. Enquanto o Vasco fará o clássico da rodada contra o Botafogo, às 16h, em São Januário, o Madureira, no mesmo horário, enfrenta o time do Americano, no Godofredo Cruz.

O começo da partida já sinalizava a pressão do Vasco pelo resultado além da fragilidade defensiva do Madureira. Além da postura defensiva do time da casa, o Cruzmaltino esbarrava nas péssimas condições do gramado.

Porém, mesmo com essas dificuldades, o Vasco abriu o marcador com Elton logo aos cinco minutos. Contudo, o gol foi erradamente anulado com a alegação de impedimento. O Madureira ficava retraído, mas cedia espaços para Felipe, que distribuía o jogo com inteligência.

Em passes do camisa 6, Eder Luis perdeu duas boas oportunidades. Em ambas, o goleiro do Tricolor Suburbano apareceu muito bem. Apesar da pressão inicial do Vasco, o Madureira tentava, aos poucos, equilibrar o confronto.

Na volta para o segundo tempo, o Madureira pressionou logo no inicio e explorou os espaços deixados por Ramon. Em um dessas investidas, Fagner afastou séria ameaça a vitória da equipe de São Januário.

Aos 18, porém, em mais uma investida pela direita de ataque, a bola sobrou para Rodrigo que, com a marcação atrasada do Vasco, acertou o ângulo do goleiro Fernando Prass. O gol não esmoreceu o apoio da torcida cruzmaltina, que comparecia timidamente ao Raulino de Oliveira. Aos 21, novamente, Rodrigo quase virou.

Apesar da pressão do Madureira, a dupla formada por Felipe e Bernardo mostraram que a técnica faz a diferença. Em mais um passe do camisa 6, o jovem meia colocou no canto e reconduziu o Vasco à frente no marcador.

A deficiente marcação pelo lado esquerdo do Vasco, porém, mais uma vez penalizou o time. Após centro de Valdir, Adriano Magrão empatou a partida para o desespero dos cruzmaltinos e deu tom final ao compromisso.

Contudo, a tarde era de Bernardo. O jogador mostrou estar inspirado e marcou de cabeça no meio da zaga, aos 42 minutos. Logo depois, o meia saiu para a entrada de Fellipe Bastos, que ainda teve tempo de deixar o seu e fechar o marcador.
Fonte: UOL Esporte